A gestão de pessoas no setor público é uma importante etapa na administração e organização de órgãos e serviços públicos, em busca de uma constante modernização do sistema

Conhecer e desenvolver uma boa gestão de pessoas no setor público não é uma tarefa tão simples. Mesmo sendo complexo, este é um tema que pode ser bastante explorado o meio acadêmico.

O conceito de gestão de pessoas é uma junção de habilidades e métodos, políticas, técnicas e práticas definidas. Porém, tal gestão ocorre por meio da participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento de funcionários. Dessa maneira é possível estabelecer a função de humanizar as áreas de uma empresa.

Este conceito é bastante atribuído nos setores privados e só agora buscou-se a melhor gestão de pessoas no setor público, porém com algumas particularidades.

No setor público as contratações são realizadas mediante aos concursos públicos. Ao contrário dos grupos privados, no qual o gestor contrata indivíduos que possuem características vantajosas para a ocupação.

Por isso, nesses ambientes os desafios da gestão de pessoas no setor público são cruciais para que o funcionário possa progredir na carreira e aprender a cumprir suas funções de maneira mais eficaz.

Este post é ideal para quem busca fomentar uma boa gestão de pessoas no setor público. Veja quais são as tendências, os principais desafios e a evolução que os gestores buscam para modernizar. Acompanhe!

as principais tendências

As Principais Tendências em Gestão de Pessoas no Setor Público

Você busca novos conceitos para sua gestão de pessoas no setor público? Aqui estão algumas tendências que gestores estão incluindo em suas estratégias. Ao utilizá-las conseguem extrair mais eficiência e potencial de seus funcionários.

As seguintes propostas são para trazer e melhorar a nova gestão de pessoas no serviço público, propostas pelo professor Homero Pampolini Jr em seu livro sobre gestão pública:

Diminuição do Número de Chefes e Hierarquias

Isto já se revela como uma passagem do modelo burocrático, excessivamente rígido, formal, para o gerencial, voltado à resultados, descentralizado e com delegação de autoridade. A tendência é que este tipo de hierarquia diminua.

Foco nos Cidadãos

Eles são os responsáveis por estruturar os produtos e serviços. Por isso, se estão identificando as reais necessidades neles para atingir níveis de excelência no atendimento e também de eficiência, eficácia e efetividade para as novas demandas do mercado.

Preocupação Constante com a Qualidade de Vida dos Colaboradores

Esta medida se apresenta como uma estratégia ou um elo de ligação entre os interesses individuais dos gestores e os governamentais. Contribui para a satisfação do colaborador e otimiza a produtividade no trabalho – tanto física, quanto mental.

Implantação de um Sistema de Recompensas Justo Dentro do Governo

Esta estratégia busca motivar e reter os melhores talentos na área pública com intuito de gerar um maior nível de desempenho e produtividade no trabalho. De modo que:

  • Melhora o nível de relacionamento dos gestores com os colaboradores, mantendo, desta forma, um comportamento ético no governo.
  • Evolução do sistema de gestão fordista e taylorista para um modelo capaz de manter e desenvolver talentos.

Os sistemas fordista (baseada na produção em massa) e taylorista (cada indivíduo deve cumprir sua tarefa no menor tempo possível, sendo premiados aqueles que se sobressaem) faziam os trabalhadores serem vistos como máquinas.

Com isso, eles possuíam pouca motivação em relação ao seu trabalho e raramente a possibilidade de ascensão no trabalho, já que o que mais se importava na época era a produtividade.

Porém, com o advento da nova tendência de gestão de pessoas no setor público, o novo modelo requer que os colaboradores sejam tratados como gente, sejam ouvidos e cada vez mais ocorra o investimento nesta formação do capital humano.

desenvolvimento de liderança

Desenvolvimento de liderança na gestão de pessoas no setor público

Preocupação no desenvolvimento de lideranças (e não de chefias) como forma de treinar seus colaboradores internos para assumir posições de chefia quando houver vacância nos cargos anteriormente ocupados

Vale salientar a importância fundamental que se tem no líder para a área pública na consecução das ações governamentais, já que em se tratando da resistência a inovações que, por diversas vezes, infelizmente ainda permanece no setor público, o líder deve agir como um agente de mudanças e disseminador desta cultura no local onde trabalha.

Programas para desenvolvimento profissional

Criação de programas de treinamento e desenvolvimento profissional e o consequente papel do governo como escola, de educar seus servidores.

Tudo isto se faz necessário para a criação de um ambiente mais estimulante e desafiador, em que os servidores possam se sentir responsáveis pelos resultados alcançados.

Isso equivale a dizer que é preciso estimular os servidores para a inovação, valorizado sua opinião, criando oportunidades para a participação deles nos objetivos da organização, para seu desenvolvimento profissional.

Enfim, provendo uma boa infraestrutura e um adequado ambiente de trabalho para a participação do servidor no tocante a formulação da estratégia e a consecução dos programas governamentais.

Realizar a melhor gestão do capital intelectual governamental, formando equipes de alto desempenho

Isto se deve ao fato que o capital intelectual é o ativo intangível de grande importância para agregar valor público e o diferencial competitivo no mercado de trabalho.

Implementar estratégias de comunicação interna

Melhora no nível de comunicação interna entre gestores e colaboradores na medida que incentiva a prática do feedback e do coaching.

O feedback e o coaching vem se tornando cada vez mais ferramentas essenciais à gestão por resultados porque é através destas ferramentas de comunicação que se aceleram mudanças de atitudes e posturas nos colaboradores para que eles atinjam mais rapidamente o seu máximo potencial e as metas organizacionais.

Identificar os colaboradores como parceiros e não como estritamente “recursos humanos”

É igual a dizer que é preciso olhar o funcionário como um todo, tratá-lo como gente e não como mais um recurso. Significa valorizar as pessoas e tratá-las com o devido respeito merecido.

Adotar uma estratégia para gestão de pessoas é importante para melhorar o desempenho dos funcionários e para a administração. O Ergon é o sistema que ajuda o tomador de decisões a criar e planejar sua gestão com eficiência e precisão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *